Tiago Porto Pereira - livro


capa_tiago_porto.png

Epistemologia das Redes e a Teoria das Paixões em Hume


Editora Fi, Porto Alegre 

ANO: 2014

Páginas: 107

Edição: primeira

ISBN 9788566923-21-6



para saber mais CLIQUE AQUI

A obra pretende elaborar uma epistemologia das redes e investigar a influência das paixões nas decisões dos indivíduos conectados às redes sociais da Internet. Para tanto, foi realizado um estudo ontológico relacional da sociedade em rede, passando a uma epistemologia focada na forma com que os indivíduos inseridos na rede internacional de computadores obtêm seu conhecimento; em seguida, o trabalho foi aprofundado na Teoria das Paixões desenvolvida por David Hume, ressaltando seus pontos mais importantes para a análise da tomada de decisões dos indivíduos nas redes sociais on line; finalmente, apresentando as consequências empíricas dessa teoria nos eventos insurgentes mais relevantes nos últimos anos, amparados pela Teoria do Reconhecimento de Axel Honneth.


artigos


Redes sociais e redes humanas ou a lógica da insociável sociabilidade humana

em colaboração com

Agemir Barravesco e  

Giovane Martins


         As redes sociais fusionam o real e o virtual em atualidade virtual constituindo redes humanas. Nesse sentido, a antropologia da tecnologia em conjunto com a ciberantropologia permite fazer um diagnóstico de uma nova identidade do ser humano a partir do fenômeno das redes sociais. As relações intersubjetivas constituídas em diferentes contextos de publicidade e pluralismos de significadosa partir da interface com as redes sociais, diluindo limites de comunicação e fronteiras humanas, ainda permitem compreender o real e o virtual de forma dualista? Ou melhor, qual é a lógica imanente do antagonismo da insociável sociabilidade humana que permite cenários de “indignação e esperança” da autocomunicação global? O estudo interdisciplinar tem por objetivo envolvera ciberantropologia, a antropologia da tecnologia e a filosofia para apresentar em primeiro lugar as implicações culturais da identidade do ser humano conectado em redes sociais; depois, estudamos as genealogias da antropologia da tecnociência e o antagonismo kantianoda “insociável sociabilidade” humana; enfim, descrevemos a lógica hegeliana da manifestação reflexiva entre a objetividade e a subjetividade livres e a comunicação como virtualidade


para ler na íntegra CLIQUE AQUI